Praça João Carlos Hohlenwwerger, 06 Tel-(73) 35313567-Ipiaú-BA

Livro de professor da UFBA explica gênese do antipetismo e avanço da direita radical no Brasil

Foto: Raul Spinassé/Folhapress/
Wilson Gomes é professor titular da UFBA e coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital

O bolsonarismo já existia no Brasil antes mesmo de Jair Bolsonaro: a parte mais obscurantista e radical da direita conservadora brasileira já se organizava em redes sociais online muito antes de o hoje presidente ser ungido como protagonista e principal representante desse grupo.

E essa direita conservadora chegou ao centro do poder nas eleições presidenciais de 2018 com os votos de 58 milhões de brasileiros a partir de uma conjunção de fatores, que incluem o avanço do antipetismo, do lavajatismo, os estratagemas da direita tradicional e os erros do próprio Partido dos Trabalhadores.

Capítulo a capítulo, o percurso é contado e analisado no livro “Crônica de uma Tragédia Anunciada: Como a Extrema-Direita Chegou ao Poder”, de Wilson Gomes, 56, professor titular da UFBA (Universidade Federal da Bahia).

Coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital, Gomes pesquisa comunicação política e democracia digital há mais de duas décadas e, desde 2010, acompanha a atuação em redes sociais online de grupos que se organizaram em torno do antipetismo.

O livro, lançado pela editora Sagga, é formado por uma coletânea de artigos publicados pelo professor no Facebook de 2013 a 2018, com análises a quente dos principais acontecimentos políticos do país no período.

O retrato é o do momento, com suas apostas e tentativas de interpretação, que ora se revelam certeiras, ora miram no sentido oposto ao rumo que os fatos tomaram.

As análises têm como esteio a comunicação política, campo que, como explica Wilson Gomes, “presta atenção em como a imaginação da sociedade é conduzida, como as paixões do público podem ser motivadas e direcionadas, as convicções coletivas são formadas e disseminadas”.

Na avaliação de Gomes, uma conjunção de fatos fez virar a chave da política brasileira, que saiu de uma hegemonia de 13 anos de um partido de esquerda para as franjas mais obscuras da direita conservadora, em um voo que teve Michel Temer (MDB) como escala.

Os três primeiros fatos estão ligados diretamente ao PT: o acúmulo de escândalos de corrupção associados ao partido, os protestos de 2013 que deram vazão ao sentimento de desgosto com o governo e a vitória de Dilma Rousseff (PT) em 2014, seguida pela frustração de uma parcela da população.

Os passos seguintes se consolidaram com a aposta na ruptura com impeachment de Dilma, com ascensão da Operação Lava Jato, que ajudou estabelecer na sociedade um sentimento de antipolítica e a vitória de Donald Trump no Estados Unidos em 2016, que deu espaço para a construção de um candidato de perfil semelhante no Brasil.

Em todas as etapas desta trajetória, o antipetismo foi a principal amálgama entre diferentes grupos que se opunham aos governos petistas, consolidando-se como uma força política.

O antipetismo, afirma Gomes, não é uma simples rejeição ao PT. É uma espécie de moralismo dogmático, no qual não há espaço para argumentos, mas tão somente para pontos de vista prévios. Para o antipetista, o PT não é um adversário: ele encarna uma espécie de mal que deve ser extirpado.

Diferentes motores já impulsionaram o antipetismo: o medo, a ojeriza aos movimentos sindical e social, a crítica a políticas compensatórias como as cotas raciais e, principalmente, a corrupção.

Essa última entrou na agenda política em 2005, com a eclosão do escândalo do mensalão, para não mais sair —criou-se a sensação de uma espécie de escândalo único e contínuo protagonizado pelo PT.

É nesse cenário que grupos antipetistas ocupam o ecossistema mediático das redes sociais online, espaços que se tornam terreno fértil para o avanço da agenda ultraconservadora no Brasil.

Na primeira metade da década de 2010, a agenda ainda não tinha um protagonista claro. Nas redes sociais, o espaço chegou a ser ocupado temporariamente pelo pastor e deputado Marco Feliciano (Republicanos-SP) e depois pelo deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), até desaguar em Jair Bolsonaro.

O então deputado federal começava a sair de seu tradicional nicho dos militares para assumir o protagonismo da agenda ultraconservadora do país. Do baixo clero, cavou seu espaço no grito: usou de declarações ofensivas e chocantes para mobilizar a conversa na esfera pública.

Esta capacidade de pautar a imprensa e a discussão pública, aliada a condescendência de instituições como o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, fez de Bolsonaro um fenômeno.

Tanto que, muito antes de Bolsonaro despontar como um candidato viável para a Presidência da República, o professor da UFBA já alertava para a sua capacidade de mobilização, sobretudo entre os jovens.

Ao mesmo tempo, o governo Dilma (PT) encontrava o seu ocaso logo no início do seu segundo mandato, em 2015, frente aos seus próprios erros e aos estratagemas da direita tradicional, que apostou na ruptura institucional.

Para Wilson Gomes, o governo foi perdendo o controle da própria narrativa na esfera pública ao mesmo em que políticos, empresários e parte da mídia dobravam a aposta no afastamento da presidente, fosse ele por renúncia, cassação da chapa ou impeachment.

O impeachment em 2016 e o governo Michel Temer constituíram um segundo momento no qual o antipetismo foi abrindo o leque para dar espaço à antipolítica, com alguns dos principais protagonistas da derrocada do governo petista, MDB e PSDB à frente, indo para o centro do furacão.

Foi justamente nesse cenário que os ultraconservadores de direita subiram à ribalta, trazendo para o centro do debate o enfrentamento à corrupção do lavajatismo, as pautas de costumes e o fundamentalismo religioso, tudo isso temperado com um antipetismo, que havia chegado a seu nível mais extremo.

Peça a peça, como em um quebra-cabeça, Wilson Gomes revela de que forma esse caldo desaguou na consolidação de Bolsonaro como presidenciável e na sua posterior vitória nas urnas, como num caminho quase que inexorável.

As razões do voto em Bolsonaro foram múltiplas, mas o cenário não era para escolhas racionais. Assim, o eleitor do tipo consumidor, que escolhe candidatos como sapatos em uma prateleira, deu lugar ao eleitor do tipo torcedor e, mais ainda, o eleitor do tipo membro de seita.

Em 2018, estes eleitores ancoraram-se, sobretudo, em três agendas: o sentimento contra o PT e as esquerdas em geral, o crescente avanço da criminalidade no país e a disputa em torno das pautas morais.

“Quem mais poderia sustentar uma posição tão iliberal tão nítida e com tanta verdade, e ainda assim com chances de vitória eleitoral, quanto Bolsonaro?”, questiona Wilson Gomes, respondendo de bate-pronto: no mercado dos presidenciáveis, não havia concorrentes.

Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esta matéria.