CREAS promove reunião para articular ações contra violência às pessoas com deficiência


Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) de Ipiaú promoveu na manhã da última terça-feira, 8, uma reunião com representantes de diversos órgãos, objetivando articular ações voltadas à conscientização da população quanto aos direitos das pessoas com deficiência, além de reforçar o espaço desse segmento populacional no âmbito do município. As ações serão desenvolvidas entre os dias 21 e 25 deste mês com temas transversais à campanha do “Setembro Amarelo” que visa a prevenção ao suicídio.

Dessa reunião organizada pela secretária da Ação Social, Nena Costa, e conduzida pela coordenadora do CREAS, Anita Grimaldi, participaram coordenadores da ADAS, APAE, CAPI, CAPIS, CRAS I, CRAS II e Ronda Maria da Penha. Todos obedecendo as normas de prevenção à pandemia do novo coronavirus. As pessoas com deficiência estão mais expostas à violência que pode ser compreendida como sendo o avesso dos direitos consagrados nas leis de uma forma geral.

As ações do poder público precisam ser conjuntas e unificadas no sentido de buscar a implantação de mecanismos de prevenção e enfrentamento das várias formas de violência contra a pessoa com deficiência. A coordenadora do CRES/ Ipiaú, explica que “o atual conceito de deficiência indica que são as pessoas que têm impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade com as demais pessoas”.

Pesquisas mostram que a violência praticada contra crianças e idosos com deficiência é mais alta e intensa que em relação às pessoas sem deficiência. “Em maior número estão os casos de violência passiva, por negligência. A negligência consiste na recusa de dar a alimentação e medicamentos apropriados, na falta de cuidados pessoais e de higiene, deixar de seguir as prescrições médicas, ou mesmo dar cuidados inapropriados”, observa Anita Grimaldi.

Ela acrescenta que “os maus tratos, por sua vez, podem ser de ordem física com agressões, tratamento rude e falta de cuidados pessoais, emprego exagerado de restrições, excesso de medicamentos e reclusão”. Quanto aos maus tratos psicológicos, a Coordenadora do CREAS, destaca que podem ser por excessos verbais, intimidação, isolamento social, privações emocionais. “ O autor dos maus tratos está sempre em situação de poder em relação à vítima”, concluiu Anita Grimaldi. ( José Américo Castro).

Nenhum comentário: