Maia cancela toda agenda no dia seguinte à participação de Bolsonaro em ato pró-ditadura

Foto: Felipe Rau/Estadão
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cancelou toda sua agenda desta segunda-feira, 20. Ele tinha confirmado participações em duas lives, uma agora às 11h com o Banco Safra e outra, mais tarde, às 17h, com o jornal Folha de S. Paulo. No entanto, a assessoria do deputado informou que todos os compromissos da agenda foram cancelados, mas não disse o motivo.

Não é comum o deputado cancelar toda sua agenda diária. Além disso, a ação ocorre um dia após a participação do presidente da República Jair Bolsonaro em ato pró-ditadura, com ataques ao Congresso, o que elevou a temperatura nos bastidores de Brasília.

“Nós não queremos negociar nada. Nós queremos ação pelo Brasil”, declarou Bolsonaro na manifestação. “Chega da velha política. Agora é Brasil acima de tudo e Deus acima de todos.” Além de defender o governo e clamar por intervenção militar e um novo AI-5 —o mais radical ato institucional da ditadura militar (1964-1985), que abriu caminho para o recrudescimento da repressão— os manifestantes aglomerados em frente ao quartel-general do Exército defenderam o fechamento do STF e do Congresso.

Sem citar diretamente a manifestação ou Bolsonaro, Maia repudiou o ato no Twitter ainda na noite de domingo. “O mundo inteiro está unido contra o coronavírus. No Brasil, temos de lutar contra o corona e o vírus do autoritarismo. É mais trabalhoso, mas venceremos. Em nome da Câmara dos Deputados, repudio todo e qualquer ato que defenda a ditadura, atentando contra a Constituição”, escreveu.

Segundo interlocutores, os acontecimentos de ontem geraram forte preocupação em relação à defesa da democracia e a gestão da crise da covid-19. Maia e demais líderes do Congresso, como o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), tiveram conversas sobre a situação depois do ocorrido.

Apesar de entenderem que os atos de ontem, além das contrariedades de Bolsonaro em relação ao combate à pandemia – como incentivar aglomerações – podem se encaixar como crime de responsabilidade, a abertura de um processo de impeachment não é uma possibilidade na mesa. “Isso não seria uma solução ainda mais em plena crise”, disse uma fonte. Um aliado de Maia classificou a situação como uma guerra fria, onde uma atitude mais intensa de um dos lados poderia apenas a agravar o cenário e não trazer soluções.

Lideranças devem continuar as conversas de ontem ao longo desta segunda-feira. Ainda não é claro qual o caminho que o Congresso deve seguir frente ao agravamento dos ataques de Bolsonaro e das contrariedades dele em relação às orientações sanitárias para combater o avanço do coronavírus no Brasil.

Estadão

Nenhum comentário: