Praça João Carlos Hohlenwwerger, 06 Tel-(73) 35313567-Ipiaú-BA

África contraria 'previsões negativas' e lida melhor com Covid do que 'grandes potências'

Foto: Divulgação/G1

Embora abriguem alguns dos sistemas de saúde menos desenvolvidos do mundo, quase todos os 54 países do continente africano registraram menos mortes pelo vírus nos últimos nove meses do que os EUA.

De acordo com o Estadão, apesar dos testes terem sido limitados, poucos lugares da África tiveram hospitais lotados e aumento nas mortes. Pesquisas feitas pela Organização Mundial da Saúde descobriram um aumento de mortalidade insignificante na maioria dos países africanos, reduzindo a suspeita de que muitas mortes por covid-19 não são contadas

Isso pode ser resultado do fechamento de suas fronteiras internacionais no início da pandemia. Muitos impuseram lockdowns, toques de recolher e proibições a certas atividades sociais, como bares e restaurantes, antes mesmo de seus primeiros casos. Nsenga e outros especialistas concordaram que, embora a adesão a outras ordens, como uso de máscaras e distanciamento social, possa ter sido negligente, sua pronta implementação, junto com medidas mais pesadas, foi eficaz para achatar a curva de infecções.

Análises preliminares feitas pela OMS indicam que os africanos podem ter duas vezes mais probabilidade de contrair covid-19 sem complicações e que mais de 80% dos casos no continente foram assintomáticos – uma porcentagem muito maior do que em outras partes do mundo.

Um conjunto de hipóteses que muitos epidemiologistas africanos disseram merecer um estudo mais aprofundado sugere que a exposição a outras doenças infecciosas, que são comuns na África – ou suas vacinas, que muitos africanos recebem ao nascer – poderia ter conferido algum nível de imunidade contra o novo coronavírus.

“Somos frequentemente expostos a um grande número de insetos e patógenos: malária, febre tifoide, meningite e muito mais”, disse Yap Boum, epidemiologista camaronês e representante regional da Epicenter Africa, o braço de pesquisa dos Médicos Sem Fronteiras. “É algo diferente do que você tem nos Estados Unidos, na Europa e em outros lugares”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esta matéria.