Biden se aproxima da vitória; resultados podem depender de batalha judicial

BIDEN DISSE ESTAR CONFIANTE QUE AO FINAL DO PROCESSO SAIRÁ VITORIOSO NA DISPUTA. FOTO: JIM WATSON / AFP

Depois de vencer nos estados de Wisconsin e Michigan, o candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, está próximo de derrotar o republicano Donald Trump na eleição presidencial americana. Trump voltou a fazer acusações de fraude sem apresentar evidências, antecipando uma batalha judicial para definir o vencedor do pleito.



A apuração continua e há expectativa de finalização de votos nos estados de Arizona, onde a vantagem de Biden é confortável, e na Geórgia, onde o democrata diminuiu a diferença para Trump e pode até virar. Ainda faltam cerca de 90 mil votos a serem apurados. A Geórgia envia 16 grandes eleitores ao Colégio Eleitoral.

Os resultados no estado de Nevada (6), que retoma a contagem nesta quinta-feira, também podem pesar nesta reta final. Mas a decisão poderá vir também da Carolina do Norte (15) e da Pensilvânia (20), onde a disputa está mais acirrada.

A possibilidade de que um resultado seja definido dentro de vários dias não está descartada: na Pensilvânia os votos podem ser contabilizados até sexta-feira e na Carolina do Norte, até o dia 12 de novembro. Nesses estados, a apuração demora porque o processo de contagem de votos enviados pelo correio é mais lento. No entanto, as previsões são de que favoreçam o candidato democrata.

Até o momento, diferentes projeções indicam que Biden está mais próximo da Casa Branca. Contando com a vitória no Arizona, ele já contabiliza 264 votos no Colégio Eleitoral contra 214 de Trump. O vencedor precisa atingir 270 votos.

Biden disse estar confiante que ao final do processo sairá vitorioso na disputa. Ele ainda lançou uma campanha de arrecadação de fundos para garantir na Justiça que todos os votos dos eleitores sejam contabilizados.

Biden promete que EUA vão ratificar Acordo de Paris

O candidato democrata prometeu que, se vencer as eleições presidenciais, os Estados Unidos serão reincorporados ao Acordo de Paris sobre o clima no primeiro dia do seu governo, depois que teve efeito, nesta quarta-feira, a saída oficial do país desse pacto.

“Hoje, o governo abandonou oficialmente o Acordo de Paris. Em exatamente 77 dias, um governo Biden voltará a incorporá-lo”, prometeu Biden no Twitter, referindo-se a 20 de janeiro de 2021, data do início do mandato do futuro presidente.

Com as chances de reeleição de Trump cada vez mais ameaçadas, a equipe de campanha do republicano já confirmou que entrará com pedido de recontagem de votos no Michigan e estuda ações em outros estados para contestar cédulas enviadas antecipadamente pelo correio. Nas redes sociais, o presidente continua sua campanha contra o rival replicando reportagens de um site de extrema direita que divulga notícias de caos em alguns locais de apuração.

https://www.cartacapital.com.br/mundo

Nenhum comentário: