Vereadora quer trabalhar nas escolas combate à violência contra a mulher

Ideia é que a conscientização sobre o assunto comece já na infância, para evitar o surgimento de novos agressores e estimular a defesa da mulher

Foto: Bahia.Ba

Um projeto em tramitação na Câmara Municipal de Salvador inclui nas escolas o combate à violência contra a mulher. A ideia é que a conscientização sobre o assunto comece já na infância, para evitar o surgimento de novos agressores e estimular o empoderamento e a defesa da mulher.

“A violência contra a mulher é resultado do machismo existente em nossa cultura e que é introjetado desde cedo nas mentes de todos nós. Porém, quanto mais estimularmos o debate e a disseminação de informação, mais estaremos contribuindo para a diminuição desse mal que destrói tantas famílias”, avalia a vereadora Ireuda Silva (Republicanos), autora do projeto.

A presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher lembra ainda que os dados de violência doméstica e familiar contra a mulher são alarmantes, e ainda existe uma parte que não chega ao conhecimento das autoridades. De acordo com o Atlas da Violência 2020, divulgado na quinta-feira (27), o Brasil teve uma mulher assassinada a cada duas horas em 2018. Em números absolutos, são 4.519 mulheres vítimas de homicídio.

Outro dado, divulgado em 2019, indica que 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil nos 12 meses anteriores. Do total de casos, 42% ocorreram no ambiente doméstico

Nenhum comentário: