Sob pandemia, PT caminha para escolher Denice neste domingo e voto de Ademário é incógnita

Foto: Politica Livre/Arquivo
Em meio à pandemia do coronavírus e aos rumores de que foi praticamente abandonada pelo partido desde que a quarentena começou na Bahia, a major Denice Santiago, da Polícia Militar, deve ser escolhida oficialmente candidata à Prefeitura pelo PT em reunião virtual do diretório municipal marcada para o próximo domingo.

A grande dúvida, no entanto, é quanto ao placar em que a preferência pelo nome de Denice se dará, uma vez que ela é uma escolha pessoal do governador Rui Costa e, desde o princípio sofreu resistência de várias correntes do partido à indicação de seu nome para disputar a sucessão municipal em Salvador.

A prova disso é que o encontro ocorre com outros quatro candidatos disputando a mesma indicação, embora haja forte especulação de que tanto o deputado estadual Robinson Almeida quanto a secretária Fábya Reis (Promoção da Igualdade) retirem suas candidaturas em favor da escolhida de Rui Costa.

Eles teriam cedido a uma chamada “Operação Denice”, conduzida pela articulação política do governador, cujo objetivo é promover a escolha com uma ampla margem de votos para Denice a fim de não parecer que ela sai do processo enfraquecida internamente na legenda.

Com a saída de cena do deputado e da secretária, que devem justificar suas decisões em discurso para os membros do colegiado, a expectativa é de que os 45 membros do diretório se debrucem sobre os nomes de Denice e mais do ex-ministro Juca Ferreira e da socióloga Vilma Reis, considerada a expressão mais orgânica do partido na disputa.

Se, de fato, os dois permaneceram na briga, como é esperado, Denice deve ter pelo menos 38 votos do colégio eleitoral do diretório, já que a expectativa é a de que Juca e Vilma, lutando heroicamente contra o governador, consigam reunir em torno de até sete votos.

A manutenção da candidatura de Juca para a disputa deixa, no entanto, o presidente do PT em Salvador, Ademário Costa, numa grande sinuca de bico, já que o ex-ministro faz a postulação em nome da corrente Avante, da qual o presidente municipal é dos membros mais destacados.

A pergunta que se faz hoje no PT é se ele vai apoiar sua corrente – portanto, o nome de Juca – ou aderir à candidata do governador Rui Costa. Na última votação de interesse de Rui no partido, Ademário resolveu se abster, o que teria desagradado imensamente, segundo conversas no partido, o chefe do executivo estadual.

A votação envolvia a filiação da vereadora Ana Rita ao PT, cujo ingresso na sigla foi costurado diretamente pelo próprio Rui. No diretório municipal, seu nome foi rejeitado, depois da abstenção de Ademário, decisão que Rui levou o diretório estadual a revisar, garantindo a ida da vereadora para a legenda. Por: Politica Livre

Nenhum comentário: