Toffoli defende que reformas diminuam quantidade de textos na lei

Foto: Dida Sampaio / Estadão

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, defendeu que as reformas da Previdência e tributária diminuam a quantidade de textos na lei para reduzir o risco de conflitos judiciais. “Há muitos casos previdenciários e tributários no Supremo porque há muito texto na Constituição tratando dessas matérias. 
Se tirar, diminuir a quantidade de artigos que tratam desses temos, menos judicialização teremos. Por isso que tenho dito sempre: nós precisamos destravar o Brasil”, declarou Toffoli após evento na Faculdade de Direito da Fundação Getulio Vargas (FGV), em São Paulo. 
Ele relatou que conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a necessidade de simplificação das reformas. Para o presidente do STF, “há sinal de fracasso” quando discussões sobre todos os temas vão parar na Justiça. “A sociedade tem que resolver seus conflitos, o Judiciário deve ser a última possibilidade de solução. 
E quanto menos textos tiver, leis mais claras, mais simples e menos texto na Constituição em determinadas matérias, menos conflitos vamos ter”, declarou. Durante discurso na FGV, Toffoli se queixou do excesso de judicialização, ao exemplificar a discussão de tabelamento do frete rodoviário. “Isso é um fracasso das instituições brasileiras. 
Aí tudo cai nos nossos ombros, aí tudo cai nas nossas responsabilidades e aí, para o bem ou para o mal, nós somos responsabilizados”, afirmou. “Se formos analisar, temos que diminuir nossa Constituição.”
Estadão

Nenhum comentário: