Rui pactua com base pontos de rejeição à reforma da Previdência de Bolsonaro

Foto: Camila Souza/Arquivo
No encontro que promoveu ontem com a bancada federal para discutir a reforma da Previdência, o governador Rui Costa (PT) pactuou com os parlamentares unidade de ação em torno de pelo menos quatro pontos: evitar a capitalização, preservar o trabalhador rural, não permitir mudanças na legislação que permitam próximas alterações na Previdência por meio de leis ordinárias e a manutenção do BPC (Benefício de Prestação Continuada).
O grupo dos azuis, como são chamados PP, PR e PSD, cujos representantes máximos são o vice-governador João Leão e o senador Otto Alencar, defenderam fechar questão contra ou a favor a proposta do governo Jair Bolsonaro. Uma intervenção do deputado federal Valmir Assunção, ponderando que seu partido, o PT, discordava de vários pontos da proposta, mudou o rumo da discussão, permitindo maior liberalidade na posição da bancada.
“O governador é a favor da reforma da Previdência, mas ressaltou que não pode ir no sentido de prejudicar os pobres”, destacou um dos parlamentares presentes ao encontro, destacando que parte do apoio à proposta advém do fato de que o governador vivenciar problemas na prática na administração da Previdência estadual. Segundo ele, se o quadro permanecer como está, Rui vai deixar o governo com um déficit de R$ 8 bi na Previdência estadual.
Este ano, para fechar as contas, o governo do Estado precisou de R$ 4bi, recursos que vieram do Orçamento do Estado. Um outro parlamentar destacou a habilidade de Rui em conduzir a reunião, tendo em vista a diferença de visões de parlamentares que o apóiam, muitos hoje vinculados ao governo federal ou em vias de aproximação com a gestão de Bolsonaro.
Por: Politica Livre