Tensão entre Hong Kong e China mostra “índice do medo” vivo nas bolsas

Bolsa de Hong Kong: queda de 5,5% com pressão de Pequim | Tyrone Siu/Reuters
As discussões no Congresso do Partido Comunista na China sobre intensificar as restrições sobre Hong Kong devem ser o tema do dia nos mercados internacionais. A Desperta destaca ainda o fim do prazo estabelecido por Celso de Mello para que ele decida sobre o sigilo do vídeo da reunião ministeral de abril, o fim do Ramadã e a entrada da alta gastronomia no delivery. Boa leitura.

1 - EMBATE EM HONG KONG

O governo chinês está aumentando a pressão sobre Hong Kong, num movimento que fez a bolsa do território cair 5,5% nesta sexta-feira. Pequim propôs, em reunião anual do partido comunista, a adoção de uma nova lei de segurança, aumentando seu controle sobre Hong Kong, palco de grandes manifestações por liberdade antes do início da quarentena imposta pelo coronavírus. A possibilidade de maiores restrições causa temor em cidadãos, empresas e investidores que usam a ilha como porta de entrada para a Ásia. O embate entre a China e seu território autônomo deve ser o tema do dia nas bolsas. O VIX, conhecido como “índice do medo”, está em alta de 5% na manhã desta sexta-feira, mais uma vez perto do 30 pontos. Apesar de ter caído 65% desde as máximas de março, quando chegou a sua maior pontuação desde a crise de 2008, o VIX ainda está 70% acima da média dos últimos 10 anos e 114% à frente da pontuação em que começou o ano. Apesar das altas nas bolsas nas últimas semanas, analistas afirmam que ainda é cedo para afirmar que o pior já passou.
Por: Exame.com

Nenhum comentário: