Exército defende isolamento e que Estado garanta renda de trabalhadores

Documento 'Crise Covid-19: Estratégias de transição para a normalidade' defende também a testagem em massa
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
O Centro de Estudos Estratégicos do Exército (CEEX) defende o isolamento social como estratégia de enfrentamento ao novo coronavírus. O documento ‘Crise Covid-19: Estratégias de transição para a normalidade’, elaborado pelo grupo, defende também a testagem em massa para obter com precisão o número de infectados no país.

As informações são do jornal O Globo. As recomendações do Exército, no entanto, vão na contramão do que tem defendido o presidente Jair Bolsonaro sobre as medidas restritivas adotadas por prefeitos e governadores.

O presidente defende o isolamento vertical, mantendo afastados do convívio social apenas os grupos de risco, como idosos. A Organização Mundial da Saúde (OMS), por outro lado, defende o isolamento horizontal como a melhor estratégia de combate ao novo vírus.

“Embora ainda seja cedo para uma avaliação mais conclusiva, observa-se que a adoção precoce de estratégias de isolamento horizontal tem apresentado resultados parciais mais efetivos no achatamento da curva”, argumenta o Exército, que reconhece o “consenso mundial” sobre a estratégia.

Outro ponto do estudo é a necessidade de ampliação do modelo atual de testagem para o novo coronavírus. O argumento é que seja ampliada a capacidade das autoridades brasileiras antes de ser implementado um modelo com menos restrição à circulação das pessoas.

“O que se observa, em termos de boas práticas mundiais, seria a adoção de um modelo de realização massiva de testes rápidos para a identificação tempestiva do maior número de casos e determinação de seu isolamento. Só essa medida parece criar a segurança necessária para a retomada gradual e progressiva das atividades econômicas”, diz o documento.

Impactos na economia

O Exército também admite os impactos econômicos da pandemia, mas propõe que o poder público deve pensar em construir um caminho para amenizar os efeitos da pandemia. A obrigação do Estado deve ser na preservação da renda e dos postos de trabalho.

Essas soluções de transferência de renda devem ser executadas no curto prazo.

“As ações devem priorizar práticas com maior impacto para a manutenção de empregos, assim como para recuperação da capacidade produtiva dos setores estratégicos, visando a estabilidade econômica e social do país”, diz o Exército no documento.

Nenhum comentário: