Daily Archives: 9 de setembro de 2018

Recepção calorosa com feijoada na comunidade da Zona Rural, região da Sapucaia

O almoço estava maravilhoso e essa foi uma forma de agradecimento do povoado por ter a sua reivindicação de mais de uma década atendida.

Fomos ver de perto os 3.5km que foram totalmente recuperados, trazendo de volta o acesso da comunidade à região, mais segurança e conforto. A estrada está ótima e breve terá água potável para o povoado, com a instalação do poço artesiano que o nosso Deputado Eduardo Salles conseguiu.

PraFrenteIpiaú

Agenda de Maria para segunda-feira (10)

A prefeita Maria segue o ritmo e nesta segunda-feira 10/09, irá visitar os moradores da Rua Idaísio Galvão, principal via de acesso ao Bairro Santa Rita em Ipiaú. Atendendo a solicitação da comunidade, a rua vai ganhar calçamento em toda a sua extensão e isso só foi possível com recursos de emenda do Deputado Federal Mário Júnior 1111

Ponto de Encontro no “Passa Gado”, às 17h!

Comandante do Exército acha que derrota de Bolsonaro dificultará próximo governo

Villas Bôas adverte para dificuldades do futuro presidente

O general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército Brasileiro (Foto: EBC)

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, disse que o ataque ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) materializa o temor de que a governabilidade do próximo presidente possa ser afetada.

“O atentado confirma que estamos construindo dificuldades para que o novo governo tenha estabilidade, para a sua governabilidade, e podendo até mesmo ter sua legitimidade questionada,” disse o militar, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

Villas Bôas exemplifica dizendo que uma eventual derrota de Bolsonaro poderia ser atribuída ao ataque que o tirou da campanha pelas próximas semanas. Ao mesmo tempo, ele pondera que a comoção gerada após o atentado poderia beneficiar o candidato na corrida presidencial.

O general também criticou o acirramento de ânimos no cenário eleitoral brasileiro. “E esse atentado, infelizmente, veio a confirmar essa intolerância generalizada e a nossa falta de capacidade de colocar acima dessas questões políticas, ideológicas e pessoais o interesse do país”.

“Espero que isso prevaleça e que a sociedade tenha levado um susto, do que pode acontecer diante dos caminhos que estamos trilhando. Espero que as coisas se harmonizem a partir de agora”, disse Villas Bôas.

A questão da estabilidade também foi levantada pelo militar quando questionado pelo jornal sobre as tentativas do PT de registrar a candidatura do ex-presidente Lula, baseadas em uma recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU -e criticada por ele.

“É uma tentativa de invasão da soberania nacional. Depende de nós permitir que ela [a candidatura] se confirme ou não. Isso é algo que nos preocupa, porque pode comprometer nossa estabilidade, as condições de governabilidade e de legitimidade do próximo governo.

O general, no entanto, descartou qualquer intervenção no país, dependendo do resultado eleitoral. “Não há hipótese de o Exército provocar uma quebra de ordem institucional”.

PT critica entrevista

As declarações de Villas Bôas não foram bem vistas pelo PT. Em nota, a Comissão Executiva Nacional do partido chamou a entrevista de “o mais grave episódio de insubordinação de uma comandante das Forças Armadas ao papel que lhes foi delimitado, pela vontade soberana do povo, na Constituição democrática de 1988”.

“É uma manifestação de caráter político, de quem pretende tutelar as instituições republicanas. No caso específico, o Poder Judiciário, que ainda examina recursos processuais legítimos em relação ao ex-presidente Lula”, diz trecho da nota. (Folhapress)

Candidatura dá desânimo no PSDB e gera comparações com Doria e Ana Amélia

 

Tucanos já avaliam que Doria teria melhor desempenho que Alckmin

Desânimo com Alckmin faz dirigentes lembrarem de reuniões onde se cogitou lançar Doria

Se arrependimento matasse, a cúpula do PSDB estaria dizimada. O fraco desempenho de Geraldo Alckmin desanima tucanos e os demais partidos que o apoiam, e fez lembrar em reuniões internas que a performance seria bem melhor com João Doria, como indicavam as pesquisas. No PSDB, há dirigentes avaliando que uma candidatura presidencial da senadora Ana Amélia (PP) seria mais competitiva. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A situação da campanha Alckmin é crítica: há relatos de “corpo mole” e até de traição de políticos dos partidos que oficialmente o apoiam.

No Norte/Nordeste, políticos do Centrão e do PSDB tentam se “colar” a imagem de Lula, sem pedir votos para Alckmin, agravando a situação.

O atentado de quinta deverá aumentar ainda mais a distância entre Jair Bolsonaro (PSL) e Alckmin, segundo estimativa do próprio PSDB.

Caso raro de candidato que teve menos votos no segundo turno que no primeiro, em 2006, Alckmin jamais foi tido como competitivo no PSDB. Fonte: Diário do Poder

Faltam 29 dias: investimento em tecnologia permite que votos de localidades remotas sejam transmitidos em minutos aos TREs

As antenas do sistema SMSat estão à disposição dos TREs para utilização em localidades de cerca de 350 municípios em 16 estados

Foto: Divulgação/TSE

Num país de dimensões continentais como o Brasil, o sucesso das eleições informatizadas com apuração em tempo recorde exige investimentos em tecnologia para que os votos de eleitores de localidades remotas, como aldeias indígenas, comunidades ribeirinhas e quilombolas, possam chegar aos Tribunais Regionais Eleitorais sem atraso. O curioso é que os votos dessas regiões têm chegado às capitais mais rapidamente do que os colhidos em zonas urbanas.

A explicação para isso é o investimento em tecnologia. Por meio de um equipamento portátil de não mais de dois quilos, que funciona à bateria, técnicos da Justiça Eleitoral de estados como Amazonas, Pará e Tocantins, por exemplo, se deslocam para as localidades mais remotas do país e de lá enviam os votos para as sedes dos respectivos TREs. A Justiça Eleitoral dispõe de 1.262 antenas de satélite, fáceis de serem utilizadas. As antenas emitem um sinal sonoro (bip) que, à medida que são movimentadas, passam de intermitentes a contínuos. Quando o bip torna-se contínuo, é sinal de que a antena está perfeitamente alinhada com o satélite.

Com os meios de transmissão de dados localizados nas próprias seções eleitorais, o resultado é o envio dos votos de maneira quase instantânea, em procedimentos que giram em torno de três minutos. Antes da utilização do sistema SMSat, a Justiça Eleitoral demorava mais de 48 horas para totalizar uma eleição. Com a utilização desse serviço, a Justiça Eleitoral passou a publicar o resultado das eleições no mesmo dia do pleito. De acordo com o coordenador de Infraestrutura de Tecnologia de Informação do TSE, Cristiano Andrade, as antenas de satélite têm conexão a microcomputadores através de cabo e telefone, sendo utilizadas também para que os técnicos da Justiça Eleitoral se comuniquem com as bases ao longo, por exemplo, de travessias de barco que, em alguns casos, podem levar de dois a três dias.

A segurança neste tipo de transmissão é assegurada por mecanismos de criptografia e assinatura digital para que não exista qualquer possibilidade de modificação de dados. Após a transmissão, os dados são conferidos com os boletins de urnas que são impressos antes da transmissão. As antenas de satélite estão à disposição dos TREs para utilização em localidades de cerca de 350 municípios em 16 estados: Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Conforme explica Cristiano Andrade, cabe aos Tribunais Regionais Eleitorais solicitar o envio das antenas de acordo com a necessidade do estado. Há localidades remotas por natureza, mas há locais que se tornam remotos em razões de fenômenos naturais, como fortes chuvas e inundações que destroem estradas ou o inverso, quando secas prolongadas impedem a navegabilidade de rios. O uso de antenas de satélite foi iniciado nas eleições de 2002 e, desde então, a evolução dessa tecnologia tem permitido à Justiça Eleitoral encurtar cada vez mais o tempo de transmissão dos votos de eleitores de localidades remotas. As antenas diminuíram de tamanho, tornaram-se mais leves, a autonomia de suas baterias aumentou e elas estão cada dia mais velozes. “Isso faz com que os votos das pessoas que normalmente vivem à margem dos grandes centros cheguem aos TREs antes dos votos de eleitores que moram em grandes cidades”, afirma Cristiano Andrade.

Gestor responsável: Assessoria de Comunicação 

Ataque a Bolsonaro abre novo capítulo de disputas internas no PSL

Segundo a Folha de S. Paulo, o PSL atua para que os filhos do deputado – Flávio, Eduardo e Carlos – passem a ditar os rumos do partido na eleição

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

A saída de cena de Jair Bolsonaro (PSL) da linha de frente da campanha presidencial abriu novo espaço às disputas internas na cúpula da coligação dele.

Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, integrantes do PSL que há tempos criticam o protagonismo de Gustavo Bebianno, presidente interino da legenda e braço direito do presidenciável, esperam que agora ele perca força e poder decisório.

Ainda conforme a publicação, essa ala da sigla atua para que os filhos do deputado – Flávio, Eduardo e Carlos – passem a ditar os rumos do partido na eleição. Por-Bahia.Ba

Ministro do TSE proíbe PT de apresentar Lula como candidato

O ministro Luís Roberto Barroso durante audiência pública no Supremo Tribunal Federal sobre descriminalização do aborto.

O ministro Luís Roberto Barroso, vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), reforçou, hoje (9), a proibição do uso do nome de Luiz Inácio Lula da Silva como candidato ao cargo de presidente da República.

Segundo o magistrado, se a coligação “O povo feliz de novo” – que reúne PT, PCdoB e Pros – insistir na veiculação de propagandas com o ex-presidente encabeçando a chapa pode ter o tempo no rádio e na televisão suspensos.

O ministro Luís Roberto Barroso durante audiência pública no Supremo Tribunal Federal sobre descriminalização do aborto.
Ministro Luís Roberto Barroso, vice-presidente do TSE, reforçou proibição do uso do nome de Luiz Inácio Lula da Silva como candidato à Presidência da República (Arquivo/José Cruz/Agência Brasil)
“Determino à Coligação “O Povo Feliz de Novo” e a Luiz Inácio Lula da Silva que se abstenham, em qualquer meio ou peça de propaganda eleitoral, de apresentar Luiz Inácio Lula da Silva como candidato ao cargo de Presidente da República e apoiá-lo na condição de candidato, sob pena de, em caso de novo descumprimento, ser suspensa a propaganda eleitoral da coligação no rádio e na televisão”, decidiu.

Segundo o ministro, a decisão pode ser implementada, a partir de agora, diretamente por juízes auxiliares.

Decisão foi uma resposta ao Ministério Público Eleitoral
A determinação de Barroso foi uma resposta ao Ministério Público Eleitoral que acusou o PT de descumprir a decisão proferida pelo TSE no último dia 31, quando a Corte negou o pedido de registro de candidatura de Lula.

Nos dias seguintes, ainda foram veiculadas propagandas com a formação original da chapa.

A área jurídica do PT, responsável pela campanha, negou que tenha sido uma afronta à Justiça eleitoral.

Na última quarta-feira (5), o advogado Eugênio Aragão explicou que as mídias foram refeitas, mas que não foi possível trocar em todas as emissoras em tempo hábil.

Segundo ele, a legenda foi notificada quanto ao problema, mas não recebeu qualquer multa.

O partido ainda não foi oficialmente informado sobre a decisão de Barroso e não se pronunciou.
Por Carolina Gonçalves – Repórter da Agência Brasil Brasília

Conheça o empresário Deusmar Queirós, fundador da Pague Menos que foi preso após se entregar à PF

Ele é condenado desde 2010 por crimes contra o sistema financeiro, cuja pena pode chegar a 9 anos e 2 meses

Deusmar Queirós

O empresário Deusmar de Queirós, fundador da rede de farmácias Pague Menos, está preso em unidade prisional em Aquiraz (Região Metropolitana de Fortaleza). Ele é condenado desde 2010 por crimes contra o sistema financeiro, cuja pena pode chegar a 9 anos e 2 meses. 
Nascido em 1947, Deusmar de Queirós é economista, formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC) em 1973. Ele é o fundador do Grupo Pague Menos, composto por empresas de diversas áreas, em destaque a rede de farmácias.
Em dezembro de 2017, o empresário lançou sua biografia, intitulada “Deusmar de Queirós – O tecedor de ousadias”, obra assinada por Juarez Leitão. O lucro obtido com a venda dos exemplares foi doado para a Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza.

A biografia relatava a trajetória de vida de Deusmar, desde seu nascimento no município cearense de Amontada, até chegar à vida adulta. Segundo ele, o lançamento da obra servia para motivar as pessoas a acreditarem que empreender é essencial para vencer crises e melhorar realidades, seja de empresas, pessoas ou cidades.
A rede de farmácias Pague Menos, criada em 1981, foi a primeira empresa do segmento, no varejo nacional, a estar presente em todas as unidades da federação. Conta com 1.110 lojas espalhadas em 354 municípios, sendo a segunda maior rede de farmácias do País. A receita registrada pela Pague Menos em 2017 foi de R$ 6,3 Bilhões.
Também em 2017 a empresa atingiu percentual recorde de efetivações do Programa Jovem Aprendiz. Dos cerca de 1.100 estudantes recrutados todos os anos, a rede de farmácia informou que 65% conseguiram a contratação de forma definitiva. Redação O POVO Online