Pesquisa CNI/Ibope confirma as outras: no desencanto geral, não há preferidos

Foto: Elza Fiúza/ Agência Brasil

O mundo político mostra certa perplexidade diante de um fenômeno nunca visto no Brasil: no mês em que se abre o prazo para as convenções partidárias, o embate presidencial está rigorosamente como começou, sem líderes absolutos e nem nenhum crescendo expressivamente. Ou seja, imprevisibilidade plena.

Dizem os cientistas políticos que o cenário reflete o desencanto geral com os políticos depois de tantos escândalos no rastro da Lava Jato de todos os lados, independente de matriz ideológica.

Bolsonaro lidera, agora com 18% sem Lula, seguido de Marina (13), Ciro Gomes (8), Alckmin (6) e Álvaro Dias (3), e mais oito candidatos com 2%, o caso de Fernando Haddad, e os demais um.

Óbvio que a configuração dos cenários oficiosa ajuda a ampliar a confusão. Exemplo: Lula está lá num cenário com 33%. Mas se já é tido como líquido e certo que Lula está fora, quem é o candidato que ele vai apoiar?

Ou melhor: quem é que Rui Costa vai apoiar? Nem o próprio sabe. Espera a palavra de ordem de Lula. E o time de Zé Ronaldo, vai ficar com quem? Ninguém sabe também, nem ele.

É um cenário atípico. Até porque, nos dois lados, também pela primeira vez a Bahia, que sempre recebeu a influência federal de forma decisiva, agora se vê os atores federais fazendo força para buscar ajuda dos baianos.

Daí é que a senadora Gleisi Hoffman (SC), presidente nacional do PT, quis forçar o apoio de Rui a Lídice em favor de uma aliança nacional com o PSB. E Alckmin espera crescer na campanha e ter o apoio baiano de ACM Neto e Cia. Nada emplacou até agora.

Aleluia diz que o DEM ainda está indefinido

Ao negar ontem a existência de uma pesquisa feita por DEM, PP, PRB e SD que teria apontado Ciro Gomes como o preferencial, o deputado José Carlos Aleluia, presidente do DEM na Bahia, disse que só soube de tais pesquisas de ‘ouvi dizer’. Só houve uma pesquisa qualitativa feita pelo partido para o consumo interno.

— Pesquisa neste momento só qualitativa, para nos dar algumas dicas. E a que fizemos aponta que no DEM há quem defenda Bolsonaro, Geraldo Alckmin, Álvaro Dias e também Ciro Gomes. No caso de Ciro, eu pondero que devemos avaliar a história dos nossos valores com o que ele fala. E isso não é veto. É análise, até porque a América Latina está convergindo para uma posição distante da bolivariana.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *