Daily Archives: 9 de março de 2018

Sandro e Aleluia na luta por melhorias na educação de Nova Viçosa

Foto: Ascom/Deputado Sandro Régis

O deputado estadual Sandro Régis (DEM), sempre atento às necessidades dos municípios baianos, luta incansavelmente por melhorias nos diversos setores do Estado, entre eles a educação. Em parceria com o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM), o parlamentar conquistou mais uma vitória para o povo da Bahia. Foi empenhado o valor R$ 810.480,00 para aquisição de mobiliário para escolas do município de Nova Viçosa. Régis comemorou a conquista e agradeceu ao presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Silvio Pinheiro.

“É gratificante ver que o nosso trabalho faz a diferença na vida dos baianos. Lutamos diariamente por melhorias na educação e os estudantes de Nova Viçosa serão os grandes beneficiados com a aquisição do mobiliário. Oferecer um ambiente estudantil de qualidade é fundamental para o aprendizado do aluno. Agradeço ao presidente do FNDE, Silvio Pinheiro, pelo apoio, e ao meu amigo deputado Aleluia pela parceria”, destacou Régis.

Fonte: Ascom do deputado estadual Sandro Régis (DEM)

Justiça de Brasília manda soltar Joesley Batista e Ricardo Saud

© Marcelo Camargo/Agência Brasil
Eles estavam presos desde setembro do ano passado, sob acusação de omitirem informações aos investigadores da Lava Jato, durante o acordo de delação

A 12ª Vara da Justiça Federal de Brasília decidiu, nesta sexta-feira (9), conceder liberdade a Joesley Batista, dono da JBS, preso preventivamente desde o dia 10 de setembro do ano passado, por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-diretor da empresa Ricardo Saud também foi beneficiado.

À época, Fachin atendeu ao pedido feito pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot, após o acordo de delação premiada dos executivos ter sido rescindido pelo Ministério Público Federal (MPF), por suposta omissão de informações nos depoimentos prestados aos investigadores da Lava Jato.

Três dias depois, conforme o portal G1, a Justiça expediu novo mandado de prisão contra Joesley, dessa vez referente à Operação Tendão de Aquiles, que apura se houve uso indevido de informações privilegiadas em movimentações do mercado financeiro.

A investigação se refere à venda de ações de emissão da JBS S/A na bolsa de valores, por sua controladora, a empresa FB Participações S/A, e à compra de contratos futuros e a termo de dólar no mercado financeiro. As transações foram feitas em abril e maio, antes da divulgação dos áudios de conversas de Joesley com o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves, que levaram a denúncias contra ambos.

Como condição para a soltura, Joesley Batista e Ricardo Saud estão obrigados a entregar o passaporte; não deixar o país sem autorização judicial; comparecer a todos os atos do processos; e manter os endereços atualizados.

Wesley

No último dia 20, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) já havia concedido liberdade aos irmãos Joesley e Wesley Batista, no caso em que são acusados de crime de insider trading [informação privilegiada].

Apesar da decisão, somente Wesley foi solto. Joesley teve de continuar preso, em função do mandado de prisão expedido pelo ministro Fachin.

A defesa dos irmãos Batista alega que o grupo JBS não obteve vantagens com a compra de dólares e venda de ações da companhia às vésperas da delação premiada de Joesley. Segundo os advogados, a empresa manteve o padrão histórico nas operações do período. As informações são da Agência Brasil.

Medidas cautelares

À época, quando atendeu ao pedido de habeas corpus, o STJ decidiu converter a prisão preventiva na adoção de medidas cautelares, como comparecimento à Justiça quando for chamado, proibição de sair do país e de participar de operações no mercado financeiro, além de monitoramento por tornozeleira eletrônica.
(Fonte: Noticias ao minuto)

Delegado é preso por roubo, extorsão e falsidade ideológica em Salvador

Por: Reprodução/Google Street View

O delegado Arthur Ferreira dos Santos foi preso, na manhã desta sexta-feira (9), na 7ª Delegacia do Rio Vermelho (DT/ Rio Vermelho), onde trabalhava em horário administrativo. Ele é acusado de roubo, extorsão e falsidade ideológica.

Ao Bnews chegou uma informação de que um homem teria tentado vender um Iphone pelo OLX e o delegado teria entrado em contato com a vítima e marcado um encontro no Salvador Shopping. O delegado teria se apresentado como policial e levado o celular sem pagar, mas essa informação não foi confirmada pela Polícia Civil.

Segundo a PC, a prisão foi efetuada por equipes da Corregedoria da Polícia Civil (Correpol) e da Coordenação de Operações Especiais (COE/PC), em cumprimento a um mandado de prisão temporária. Ele ficará custodiado na carceragem da Correpol, no Rio Vermelho.

Fonte: Bocão News

Neymar que voltar para o Barcelona, afirma jornal catalão

@DR/Jogador teria comentado com ex-jogadores e funcionários do clube espanhol

Neymar se ofereceu para voltar ao Barcelona. A notícia que reverbera desde as primeiras polêmicas com o brasileiro no PSG parece ter ganhado força após a lesão do jogador e a eliminação do clube francês da Champions League, para o Real Madrid.

O rumor foi divulgado nesta sexta pelo jornal catalão Mundo Deportivo. Apesar da especulação ter se tornado mais consistente, vale lembrar que o presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi, não parece aberto à negociações com o craque, que custou ao clube 222 milhões de euros, a maior tranasação do futebol até hoje.

Mas o fato de o brasileiro estar infeliz no clube, pode acarretar, de fato, na sua ida, é o que diz o jornal, que afirma que o jogador teria deixado isso claro tanto para ex-companheiros como para executivos e empregados do clube que lidam diretamente com o futebol.
(Por- Noticias ao Minuto)

Ao menos 15 deputados trocam de sigla no 1º dia de janela partidária

© Ueslei Marcelino / Reuters

Pelo menos 15 deputados trocaram de partido nesta quinta-feira (8),primeiro dia da janela partidária. Neste período do calendário político, deputados federais e estaduais podem mudar de legenda sem sofrer punição. O prazo para trocar de sigla vai até 6 de abril.

Segundo levantamento feito pelo G1, 8 dos deputados migraram para o PSL; 4, para o DEM; 1, para o PT; 1, para o PCdoB; e 1 para o Pros. Há expectativa que mais parlamentares sigam o mesmo caminho, já que a troca de legenda envolve questões como tempo de campanha na televisão e repasses ao partido.

Entre os nomes que fizeram as trocas, estão o de deputado Jair Bolsonaro, que deixou o PSC para ser pré-candidato à Presidência pelo PSL. O parlamentar levou o filho, Eduardo Bolsonaro, para a mesma sigla.

Confira a lista de deputados que trocaram de partido

Jair Bolsonaro (RJ) PSC — PSL

Eduardo Bolsonaro (SP) PSC– PSL

Delegado Waldir (GO) PR — PSL

Delegado Eder Mauro (PA) PSD — PSL

Delegado Francischini (PR) SD — PSL

Marcelo Álvaro Antonio (MG) PR — PSL

Carlos Manato (ES) SD — PSL

Major Olímpio (SP) SD — PSL

Laura Carneiro (RJ) sem partido — DEM

Heráclito Fortes (PI) PSB — DEM

João Paulo Kleinubing (SC) PSD — DEM

Sergio Zveiter (RJ) Pode — DEM

Celso Pansera (RJ) MDB — PT

Gilvaldo Vieira (ES) PT — PCdoB

André Amaral (PB) MDB — Pros

Presidente do Senado recebe recado assustador na porta de casa

Intimidação explícita (Ueslei Marcelino/Reuters)

Autor do projeto que obriga a instalação de bloqueadores de celulares em presídios, Eunicio Oliveira recebeu um recado assustador esses dias.

A mensagem pichada na calçada em frente à casa do presidente do Senado, em Fortaleza, avisava: “Presídio mudo, Eunício morto”.

O emedebista mandou apagar o recadinho no dia seguinte.

(Fonte: Veja.com)

Eleição presidencial já tem 11 pré-candidatos confirmados

Em 1989 [quando a eleição teve 22 candidatos], a descoordenação era reflexo da inauguração do regime, já 2018 é retrato de sua desconstrução’, diz cientista político (Fotomontagem/VEJA)

A cinco meses para o fim do registro das candidaturas, a corrida eleitoral deste ano começa a ganhar forma e já reúne pelo menos 11 postulantes ao Palácio do Planalto colocados oficialmente. Ontem, quinta-feira, os nomes do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) foram lançados por seus partidos.
Analistas apontam o cenário de incerteza na disputa presidencial, reflexo da crise política, e o fim do financiamento empresarial como determinantes para a proliferação de candidaturas. A possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), até agora líder nas pesquisas de intenção de voto, ficar impedido de concorrer com base na Lei da Ficha Limpa também é considerada um fator para a pulverização de candidatos.

Algumas dessas candidaturas, porém, são vistas como tentativa de os partidos se cacifarem nas negociações de alianças eleitorais, como a do próprio Maia. No evento em que “estreou” como pré-candidato à Presidência, o deputado foi reverenciado por líderes de siglas do Centrão e até por tucanos, que já têm no governador Geraldo Alckmin (PSDB) seu pré-candidato. Eles ainda tentam atrair o DEM para a chapa presidencial.

A exemplo da candidatura do DEM, considerada de centro, no campo da esquerda a postulação da deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB) também é vista com ceticismo. Historicamente, o partido tem se colocado como linha auxiliar do PT e aliados dizem ter dúvidas se ela a manterá até o fim.

“O quadro está aberto. Partido grande não tem candidato forte, candidato mais forte está em partido fraco. O primeiro colocado nas pesquisas está impedido e o outsider saiu. O governo é bom nos resultados econômicos e pessimamente avaliado. Isso tudo dá muita insegurança para se apostar em coligações agora”, afirmou o cientista político Rubens Figueiredo.

A fragmentação vista no campo de centro, que reúne, além de Maia e Alckmin, o senador Álvaro Dias (Podemos), pode ficar ainda maior caso o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), concorra. Ele negocia filiação ao MDB, mas dirigentes da sigla têm dito que a prioridade, em caso de candidatura própria, é do presidente Michel Temer – que diz não ter a pretensão de disputar a reeleição.

“Vemos a pré-candidatura do Maia com o mesmo respeito com que vemos a do Meirelles. E inclusive alguma do MDB que possa ser lançada”, disse nesta quinta o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

Fator Lula

Na esquerda, a indefinição sobre Lula incentiva a fragmentação. Além do petista e de Ciro, o PSOL lança neste sábado o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, como pré-candidato. Embora considerada mais ao centro, a ex-ministra Marina Silva (Rede) – oficializada como pré-candidata em dezembro – disputa o mesmo eleitorado.

No outro extremo, o PSL filiou na quarta-feira o deputado Jair Bolsonaro (RJ), segundo colocado nas sondagens eleitorais. O empresário João Amoêdo foi lançado pelo Novo em novembro.

Para o cientista político Vitor Marchetti, da Universidade Federal do ABC, uma das medidas do que chama de “desestruturação” de sistema político é o número de candidaturas. Para ele, já é possível projetar 18 nomes. “Nosso recorde foi em 1989, quando 22 candidatos se lançaram. A diferença é que em 1989 a descoordenação era reflexo da inauguração do regime, já 2018 é retrato de sua desconstrução.” Vitorioso na primeira eleição após a redemocratização, o senador Fernando Collor (AL) é pré-candidato pelo PTC.

A reportagem adotou o critério de desconsiderar pré-candidaturas não citadas nos principais institutos de pesquisa, como a da ex-apresentadora Valéria Monteiro, lançada pelo PMN.

“Com a crise e a ausência de candidatos com poder de aglutinação, todos os partidos resolveram se aventurar”, afirmou o cientista político Carlos Melo, do Insper. A consequência, disse, pode ser um 2.º turno entre nomes com poucos votos. Para Marchetti, “uma candidatura que consiga 20% dos votos no 1.º turno terá grande chance de sair vitoriosa”.
(Fonte: Veja.com)